Erasmo Spadotto, Diretor do Salão de Humor e referência da Arte e Cultura no PN!

Um dos maiores nomes da Arte e Cultura de Piracicaba, será colunista no PN

Por Marcelo Alessandro 13/06/2020 - 10:07 hs
Foto: Assessoria Erasmo Spadotto
Erasmo Spadotto, Diretor do Salão de Humor e referência da Arte e Cultura no PN!
Erasmo é Diretor do Salão Internacional de Humor de Piracicaba

Artista Consagrado, Premiado, Diretor do Salão Internacional de Humor e Piracicabano de Coração!

Erasmo Spadotto é um dos grandes nomes da Arte de Piracicaba e falou com exclusividade ao PN, contou um pouco sobre a sua vida e sua história como Cartunista e Artista Plástico. Erasmo também comentou sobre o Salão de Humor em tempos de Pandemia e sua estreia em breve no Piracicaba News.

Um craque de futebol (apesar de não jogar mais), atleta nas Corridas, piadista de mão cheia, grande amigo, pai, irmão... um figuraça! Esses são só mais alguns dos talentos desse cara que tem como principal dom DESENHAR! Hoje o PN entrevistou Erasmo Spadotto, que falou um pouco sobre a arte de viver e "viver pela arte". Uma resenha sensacional... Confira:

PN - Prazer enorme poder ter com a gente um dos artistas mais consagrados de Piracicaba e região. Seja bem-vindo Erasmo! Se apresente pra gente, quem é o Erasmo, nasceu onde, cresceu fazendo o que, e hoje faz o que?

Erasmo – Fala galera do Piracicaba News! Sou Erasmo Spadotto, casado com Andrea Spadotto e tem um filho, Caio Spadotto. Sou natural de Santa Maria da Serra, cidade próxima daqui, mas moro em Piracicaba há mais de 40 anos. Aqui vivi minha adolescência e juventude, fiz amigos, criei família. Trabalhei em muitas coisas antes de fazer carreira como chargista no JP, o Jornal de Piracicaba. Entrei lá em 1992 como revisor de matérias. Fiz muitos amigos lá, na revisão, Deise Duarte, Daniele Ricci, Eleni Destro, Eneás, Carla, Daia e outros. Mas fiz mesmo carreira no Past-up (processo de montagem de jornal no passado). Seis meses depois de entrar o JP, onde comecei a ilustrar e fazer charges e caricaturas diariamente, depois disso foram mais 20 anos de JP. Depois que sai comecei a trabalhar no CEDHU, Centro de Humor do Salão Internacional de Humor de Piracicaba. Após 2 de anos, assumi a direção do Salão de Humor, um cargo de muita responsabilidade, mas ao mesmo tempo de muita honra poder organizar, realizar e dirigir o maior Festival de Humor gráfico do planeta. SEM DÚVIDA NENHUMA O MAIOR!!! Fui premiado no Salão por 2 vezes, a primeira em 1994 e depois em 2010. Hoje recebo as obras dos artistas do mundo todo para a mostra competitiva e entendo a ansiosidade deles em querer saber se foram selecionados e depois se foram premiados. Passei muito por isso quando enviava meus trabalhos ao Salão. Realmente, ser selecionado e depois premiado nesse Festival simboliza a maior vitória na carreira de um artista gráfico.


Erasmo tem a Arte na veia, vida da Arte e pela Arte, fruto de muita dedicação

PN - E essa paixão pelo desenho, nasceu como?

Erasmo - Como nasceu o desenho na minha vida? Acho que igual muitos senão a maioria, na escola. Estudei no colégio Morais Barros quando me mudei para Piracicaba e na minha classe um aluno, amigo meu até hoje, desenhava na carteira, aviões de guerra, Renato (Gordo, para os amigos). Comecei a observar e a desenhar também, mas logo depois parei e comecei a fazer outros desenhos até chegar no desenho de Humor, onde não parei mais e  se tornou minha profissão, viver de arte.


Charges destaques do Erasmo

PN - Hoje você é um dos líderes de uma das maiores preciosidades da Piracicaba, o Salão Internacional de Humor de Piracicaba. Fale do seu trabalho no Salão, e como está a Programação para esse ano com a Pandemia.

Erasmo - Vivemos um momento muito difícil, todos sabem, e o Salão de Humor não fica fora disso, mas está marcado para o dia 29 de agosto com abertura aqui no Engenho Central. Como será essa abertura? Espero que até lá tudo esteja melhor ou resolvido e possamos fazer o Salão, claro que não será igual aos anos anteriores por conta de vários problemas. Atividades programadas para o primeiro semestre já foram comprometidas e isso afetou diretamente nossa programação para a realização do evento. Sou otimista? Sou, porém embora esteja somente pensando positivamente estamos contando que, se não for em agosto, poderemos prorrogar a data marcada para outra já possível.


Erasmo com Reinaldo Figueiredo do Casseta no Salão de Humor

PN - Paralelamente percebemos em suas Redes Sociais que você também tem se dedicado bastante as Pinturas. Como tem sido isso pra você?

Erasmo - Sim. Há um tempo eu e meus irmãos passamos uma experiência muito dolorosa, porém gratificante e de muito aprendizado. Cuidamos nós quatro de minha mãe, que adoeceu rápido após a morte de meu pai. Nesse período eu passava duas noites por semana na casa da minha mãe e nessas noites comecei a usar pincéis e telas sugeridos pela minha irmã, Eliana, que também gosta e pintas quadros. Foram sete anos, duas noites por semana e assim comecei a fazer e criar minhas obras em  telas, usando tinta acrílica. Depois da morte de minha mãe parei de pintar, mas agora esse isolamento e com o tempo que todos nós ficamos em nossas casas voltei a pintar, mas com temas diferentes, usando pontos da cidade que temos muitos e bonitos para quadros, tenho feito muitas telas e obras e tem dado muito certo. Não pretendo parar, mas confesso que falta tempo para dar conta de tudo. Arte gráfica e arte plástica!